Vista do Villa Branca Website Portal Jacareí Fanpage Portal Jacareí
Home | Cadastre sua Empresa | Créditos                                                                              Quarta, 17 de Julho de 2019
Logotipo Portal Jacareí
Acesso à página principal


  • Envie uma mensagem para Marcia Pavarini...
  • Outras matérias já publicadas...


    San Carlos de Bariloche - Por Márcia Pavarini

    Textos e fotos Márcia Pavarini

    “Las brasileñas”  trajando calças justas e botas altas, arrancam suspiros dos argentinos ao desfilar seu charme e elegância pelas ruas de Bariloche... Nesses últimos anos, a invasão dos brasileiros tem sido a salvação dos comerciantes que vêem renascer a esperança de uma boa temporada, já que a depressão econômica do país dificulta o turismo nacional.

    O texto acima é parte de um artigo  publicado por um Jornal de grande circulação da cidade mais freqüentada por brasileiros na Argentina: San Carlos de Bariloche.

    Durante a temporada de inverno, o centro comercial de San Carlos de Bariloche,  poderia ser confundido com o de qualquer outra cidade montanhosa do Brasil, não fosse a NEVE. Nas ruas, nos bares, discotecas, lanchonetes, restaurantes, lojas, enfim, por todos os cantos, o idioma que mais se ouve é o português bem brasileiro, já que, “brazuca”, é o que não falta por lá.  São tantos, que em vez de Bariloche está sendo chamada de BRASILOCHE.

    A preferência dos brasileiros por Bariloche tem incontáveis razões: A cidade é rodeada por montanhas, bosques, lagos e rios com paisagens deslumbrantes.


    O turismo é barato, a cultura gastronômica é uma verdadeira arte para os gourmets e  as compras, a preços convidativos,  fazem a felicidade de todos, ou... de quase todos, menos para aqueles maridos impacientes, é claro.


    Banhada pelo exuberante lago Nahuel Huapi, a cidade esbanja charme e glamour. Além de tudo isso, ainda tem NE-VE e as pistas de esqui oferecem diversão garantida tanto para os iniciantes como para os “experts”.

    Como se não bastasse tudo isso, ainda tem a facilidade de locomoção, já que os vôos (de 2horas) chegam diretos de Buenos Aires. Ainda quer mais? Ah, tem também aquelas chocolatarias artesanais onde dá vontade de soltar a criança que existe lá no fundo da gente e se  lambuzar até o pescoço com aqueles chocolates macios e saborosos, com tudo o que é recheio imaginável.

    Capital dos lagos Patagônico, San Carlos de Bariloche é uma das cidades mais importantes da província do Rio Negro e um dos centros turísticos invernais mais tradicionais do país.

    O nome BARILOCHE provém da língua mapuche, que significa "povo de trás da montanha". Isto porque seus primitivos habitantes, os índios mapuches, eram originários do outro lado da Cordilheira dos Andes. A altitude menor dos Andes na região de Bariloche (em alguns casos, inferior aos 1000 m, cobertos de bosques) permitiu aos mapuches migrarem há séculos do sul do Chile para a região da Patagônia argentina.


    CENTRO CÍVICO

    Projetado em 1940, o conjunto arquitetônico do centro Cívico é um Monumento Histórico Nacional, onde funcionam os órgãos oficiais. A Praça que rodeia o Centro Cívico oferece uma bela vista do Lago Nahuel.

    A cidade tem uma arquitetura característica conhecida como “andina”, que se compõe de pedra, madeira e telhas de pizarra negra.


    CALLE MITRE

    A alguns passos do Centro Cívico fica a rua principal e a mais badalada de Bariloche. Sempre movimentada em razão do seu vibrante comércio de artesanato, roupas, restaurantes, equipamentos e, principalmente, das chocolatarias, a Calle Mitre é considerada um dos pontos turísticos da cidade.


    ISLA VICTORIA - Parque Nacional Nahuel Huapi

    Tanto no verão quanto no inverno, em Bariloche há excursões para todos os gostos. Todavia, a mais procurada é a da Ilha Victoria que parte do Puerto Pañuelo. Após 30 minutos de navegação pelo Lago Nahuel, chega-se à Ilha Victoria para uma excursão pela luxuriante vegetação entre centenárias sequóias e ciprestes.


    ARRAYANES - BOSQUE DO “BAMBI”

    Após a visita à Ilha Victoria, embarca-se  novamente com destino ao Puerto Quetrihue, para visitar o mundialmente famoso Bosque de Arrayanes, uma formação arbórea única em sua espécie. O Bosque foi declarado área inatingível e monumento natural.



    O encantador Bosque dos Arrayanes, é formado por árvores da cor de canela. O percurso dos Arrayanes é feito por uma passarela de madeira que atravessa o bosque e vai dar numa casinha de chá, que mais parece um desenho do Wall Disney, aliás, foi nesse Bosque que se ele se inspirou para fazer o filme “Bambi”.


    CERRO OTTO - CONFEITARIA GIRATÓRIA

    O Cerro Otto, que fica a apenas 5km do Centro Cívico de Bariloche, ergue-se a 1405 m de altitude revelando uma paisagem cinematográfica dos lagos Nahuel Huappi, Moreno, Gutiérrez, dos cerros Tronador e Catedral e as penínsulas de San Pedro y LLao LLao.


    O acesso ao Cerro pode ser feito de carro que chega até a certa altura, e, dali em diante, é necessário continuar num “funicular”, uma espécie de trenzinho. O acesso até o cume pode ser feito, também,  por gôndolas panorâmicas envidraçadas com plexiglás, que percorrem uma distância de 2.100m até a estação Superior do Cerro Otto, onde fica a surpreendente Confeitaria Giratória, a única da América do Sul.


    CERRO CATEDRAL

    Os picos de pedra que coroam o cume do Cerro Catedral assemelham-se  às torres de uma catedral Gótica. Daí a origem do nome. O Cerro Catedral  é o centro de atividades de montanha mais desenvolvido da América do Sul. As pistas de esqui oferecem opções para todos os níveis  do esporte. Na base, fica a badaladíssima e movimentada praça de alimentos com lojas, restaurantes, show ao vivo e lanchonetes onde acontece o Happy Hour depois do esqui.

    Bariloche abriga um dos cenários naturais mais espetaculares do país. É um lugar de esportes extremos ou do reconfortante descanso junto a um esplêndido panorama.

    Além da hospitalidade do povo o visitante pode desfrutar  das paisagens, sabores e sensações que, certamente, farão parte das melhores lembranças de viagem.




  • Ao longo de vários anos Márcia Pavarini percorreu o mundo viajando por todos os continentes e até aos Pólos. Foi anotando suas aventuras em diários que, hoje, perfazem aproximadamente 5.000 páginas. Ela esteve, até agora, em 220 países, de acordo com o critério de contagem da Travelers Century Club TCC. Na Coluna “Diário das 1001 Viagens” Márcia Pavarini divide com os internautas, do Portal, as experiências vivenciadas durante suas andanças.

     
    Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados