Vista do Villa Branca Website Portal Jacareí Fanpage Portal Jacareí
Home | Cadastre sua Empresa | Créditos                                                                              Sexta, 14 de Maio de 2021
Logotipo Portal Jacareí
Acesso à página principal


Criação e
Desenvolvimento



Tel. 12 3923.4600
Av. Dr. Mário
Galvão, 78
Centro - SJC/SP
12209-004
BUSCA DE EMPRESAS NO PORTAL >>  
Acesse também: São José dos Campos
O conteúdo publicado não expressa necessariamente a opinião do Portal e é de total responsabilidade do autor.

Projeto registra peixe desaparecido há cerca de dez anos

( Caderno: Matérias )

Em risco de extinção, peixe-anual-de-Iguape sofre
com ocupação humana sobre a restinga


O peixe-anual-de-Iguape é encontrado apenas na região do
litoral sul do estado de São Paulo e
está em risco de extinção

Pesquisadores da Unesp registraram pela primeira vez em cerca de dez anos a presença do peixe-anual-de-Iguape (Campellolebias dorsimaculatus). A espécie, que é encontrada apenas na região do litoral sul do estado de São Paulo, é tida como em risco de extinção e indicadora de boa qualidade ambiental. Os últimos registros da ocorrência da espécie na região datam de 2006.

Publicidade

Espécie endêmica do bioma da Mata Atlântica, o Campellolebias dorsimaculatus mede até 2,8 cm de comprimento, sendo bastante valorizada por aquaristas. Professor da Unesp no câmpus de Registro, Domingos Garrone explica que o fato de a espécie estar criticamente ameaçada de extinção, entretanto, está mais relacionada com a ocupação humana em áreas alagáveis que servem como habitat do peixe.

“As restingas têm sido intensamente ocupadas pelo homem com atividades agrícolas e loteamentos urbanos, como ocorre na região dos municípios de Ilha Comprida e Iguape. Conciliar esses usos da terra é fundamental para a conservação da espécie”, aponta.

Ambientes alagados temporários que ficam no interior da restinga,
com águas bem ácidas, cor de chá,
onde vivem os peixes da
família dos Rivulídeos
(Crédito: Domingos Garrone)

O Campellolebias dorsimaculatus pertence à família dos Rivulídeos, e têm por característica serem peixes anuais que vivem em poças de água temporárias. Historicamente, a presença desses animais em pequenas porções isoladas de água sempre despertou curiosidade sobre a forma com que eles surgem nessas porções isoladas de água. O mistério rendeu à espécie outro nome popular: o “peixe-das-nuvens”.

Hoje sabe-se que esses peixes depositam seus ovos no lodo sob folhas e restos vegetais, onde permanecem até eclodirem no próximo período de chuvas. “São peixes que habitam ambientes de restinga e tem bastante interação com insetos e a dinâmica da serrapilheira, essa camada de substrato que fica sobre a terra e abaixo do dossel das árvores”, explica o professor do câmpus de Registro.


O pesquisador Osvaldo Oyakawa (MZUSP) e bolsista de iniciação científica
durante atividade de campo. A observação dos mapas ajuda na localização
das áreas de ocorrência da espécie que foi redescoberta
e de outras espécies da família dos Rivulídeos
(Crédito: Domingos Garrone)

Proteção
Por conta do risco de extinção, desde 2013 o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) desenvolve um Plano de Ação Nacional para a conservação dos peixes rivulideos ameaçados de extinção, cujo objetivo é estabelecer mecanismos de proteção aos rivulídeos e anular a perda de seu hábitat.

Alinhado à iniciativa do ICMBio, desde 2019 o professor Domingos coordena o projeto “Conservação de duas espécies de peixes anuais criticamente ameaçadas de extinção no Vale do Ribeira, Estado de São Paulo” da ONG Mater Natura - Instituto de Estudos Ambientais, com financiamento da Fundação Boticário. O projeto tem ainda a colaboração do professor Marcos Bornschein, vinculado ao Câmpus Litoral Paulista da Unesp, em São Vicente, e de Osvaldo Takeshi Oyakawa, vinculado ao Museu de Zoologia da USP, além de estudantes das instituições.

No projeto, o grupo de pesquisadores mapeia a ocorrência de espécies da família Rivulídeos por meio de registros históricos e trabalhos de campo, no intuito de caracterizar seus habitats e avaliar o seu atual estado de conservação.

A ideia agora é aproveitar a estrutura do curso de Engenharia de Pesca da universidade para montar um plantel e conseguir criar o peixe-anual-de-Iguape em cativeiro. “A ocorrência dessa espécie está restrita a uma área inferior a 10 km2. É muito pouco. A estruturação de um plantel permite ter uma viabilidade genética para reintroduzir a espécie caso ela seja extinta”, afirma Domingos.


Fonte: Agência Unesp / Fotos Divulgação


  Matérias



E-MAILS DO PORTAL JACAREÍ

Anúncios/Cadastros/Contato/Cartas: cidade@jacarei.com.br
Editorial: imprensa@jacarei.com.br
Criação/Arte: agencia@mrpropaganda.com.br

Av. Dr. Mário Galvão, 78 - Centro - São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3923.4600 | Whatsapp: (12) 99713-7333 ou 99712-8419





+ Dicas do Portal
Imagem Intensivo de Francês: de 09 a 30/06 - Aliança FrancesaVale do Paraíba
+ Matérias
Imagem Sesc São José promove ação urgente contra a fome


 
Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados